Pular para o conteúdo principal

Poesia - Cheiro nos Lençóis - Um texto de Victor S. Gomez

Cheiro nos Lençóis
Victor S. Gomez

Pele negra
Pele macia
De mil sabores
Quero perder
Todo tempo do mundo
Perdido em teu corpo
Como sempre acontece
Na nossa cama
Ninho macio
Local onde lutamos
Aos beijos e abraços
Carinhos e afagos
Noite após noite como em um trabalho diário
E onde agora me encontro
Acordado e sem sono
Seguindo o rastro do teu cheiro
Deixado nos lençóis.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre meu Livro "Universo Interior"

Muitas pessoas já leram e se emocionaram com meu livro "Universo Interior" , publicado pela Editora Patuá . Alguns deixaram comentários incríveis sobre o livro . Eu mesmo me emociono e as vezes até vertem lágrimas quando releio alguns contos. O que a gente vive, o que a gente passa pela vida, tudo que nos faz mal ou faz bem, fica registrado em nosso cérebro, alguns conseguem extirpar tudo e transformar isso em palavras, outros nas tantas formas artes que temos, quadros, esculturas, desenhos, e outras; e são tantas as pessoas que soltam seus fantasmas, quando leem um texto, observam um quadro, uma escultura, um desenho e outras formas de arte. A vida é bela, e o amor que temos por nossa vida e de nossos semelhantes deve ser sempre o maior do mundo, para que possamos criar cada vez mais coisas boas, que nos aprimorem sempre. Livro"Universo Interior" 1º lugar no Prêmio Olho Vivo de Volta Redonda, RJ. Meu livro "Universo Interior" na Editora Patuá: http://www

Piscina no Inverno Frio de Petrópolis

Piscina no Inverno Frio de Petrópolis do Livro "Buscando Novos Caminhos" de Victor S. Gomez Naquela mesma noite partimos para Petrópolis, estava frio, o inverno chegou, direto da Argentina, era só o que ela nos manda. Pi pegou seu carro e seguimos direto pro sitio dos pais de Verônica. saímos de Botafogo às 19 horas. No portão três enormes bases ingleses nos receberam. Lindos, grandes e carinhosos amigos. Fomos direto para sala de sauna, tiramos a roupa toda e depois mergulhamos na piscina, um frio imenso com cerração forte nos impediram qualquer brincadeira. Para fora da piscina apenas nossas cabeças assim não sentíamos o frio. Três crianças dentro d'água, vivendo uma noite de liberdade, num inverno dos mais lindos e inesquecíveis. Depois longas conversas noite à dentro ao lado da lareira. Pela manhã café fresquinho e volta para a minha realidade difícil e dura no subúrbio do Rio de Janeiro. Lá ainda era fresco o barulho das botas no asfalto.